Como a ‘naja de Brasília’ ganhou a internet

Prova online da Fuvest enfrenta instabilidade e candidatos ficam sem exame
12 de julho de 2020
Só pagando: novos smartphones terão carregadores vendidos separadamente
13 de julho de 2020

Ainda que tenha passado por maus bocados até ir parar Zoológico do Distrito Federal, a ‘naja de Brasília‘, como ficou conhecida a serpente que picou o estudante de veterinária Pedro Henrique Krambeck na terça-feira (7), que criava ilegalmente o réptil em casa, teve um final que, se não puder ser considerado feliz, ao menos é curioso.

No primeiro momento, o incidente com a cobra fez com que se levantasse a suspeita de que o jovem poderia ter a comprado em um esquema de tráfico de animais silvestres. Na mesma semana, após uma denuncia anônima, foi encontrado na casa de um dos amigos do estudante outras 16 cobras exóticas criadas ilegalmente.

O nome dele não foi divulgado, mas, para a polícia, o criadouro mostrou indícios de que se tratava de um negócio, com a intenção de reprodução dos animais para a venda. Além das serpentes, foram encontrados outros espécimes aquáticos, cobras e aves, incluindo um tubarão lixa.

Após a repercussão em todo o país, a naja de Brasília atingiu uma fama, digamos assim, memética. Nas redes sociais, ela ganhou perfis e fotos com legendas que ironizam o acidente levando em conta que ela libertou outros animais cativos. Também, ganhou um ensaio fotográfico realizado na sexta-feira (10), de autoria do fotógrafo e agrônomo Ivan Mattos, que trabalha como voluntário no Zoológico de Brasília. 

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Confira os produtos da Etiquetaria Paulista!

Acesse:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *